Publicado por: blogdamariazinha | 07/11/2011

Estante Virtual da Mariazinha: Inquisição: o reinado do medo – Toby Green (2011)

Esse livro do filósofo, historiador e jornalista Toby Green é, realmente, um grande tratado sobre a intolerância, como bem definiu o jornal The Guardian. Vale a leitura pois, além de falar da Inquisição na Península Ibérica, mostrando seus interesses políticos, muito mais que religiosos, nos mostra o mal que se faz quando se busca apagar o pensamento divergente. Começo a ler esse livro, mas desde já estou encantada com a força do seu texto. Vale, com certeza, a leitura.

Sinopse (Fonte: http://www.objetiva.com.br/livro_ficha.php?id=978)
Um estudo contundente sobre a intolerância.” – The Guardian
“A Inquisição pode aparentar essencialmente medieval. Mas Green a enxerga como o prenúncio do totalitarismo moderno. Green vasculhou nos arquivos histórias individuais, prevenindo que as vítimas se tornassem mera estatística.” – Financial Times
Inquisição: O Reinado do Medo é um trabalho de fôlego do jornalista e professor Toby Green sobre a perseguição religiosa institucionalizada por Espanha e Portugal em seus domínios, desses que se tornam referência para os interessados e estudiosos do tema. Durante quatro anos, o autor vasculhou alguns dos mais emblemáticos centros de memória e pesquisa do mundo – entre os quais os arquivos Secreto do Vaticano, o Geral das Índias e o Histórico Nacional, em Madri, as bibliotecas Britânica e a da Ajuda, em Lisboa, além do Museu do Prado. Ao proporcionar uma leitura ampla dos eventos e relatos estudados, Green remete-se a Freud ao apontar a neurose, a repressão e as distorções de sexualidade como causas principais das mortes e dos tormentos sofridos em nome da fé e de Deus.
A Inquisição foi, por trezentos anos, a mais eficiente máquina burocrática de repressão do mundo que assombrou o imaginário coletivo com base na pedagogia do medo. Foi fruto mais de motivações políticas do que religiosas, sendo controlada pela coroa espanhola sem a interferência do papa. E resultou extremamente rentável para seus perpetuadores. O papado havia criado uma instituição semelhante no fim do século XII. Mas a reinvenção dos “reis católicos”, estabelecida para varrer os hereges de seus domínios, serviu, sobretudo, para que Fernando de Aragão e Isabel de Castela assegurassem o controle do território espanhol, marcado pela convivência, no passado, entre cristãos, judeus e muçulmanos.
No prólogo, Green dimensiona histórica e geograficamente o alcance do Santo Ofício. “De 1478 a meados do século XVIII, a Inquisição foi a mais poderosa instituição da Espanha e de suas colônias na ilhas Canárias, na América Latina e nas Filipinas. A partir de 1536, no vizinho Portugal e nas colônias portuguesas na África, na Ásia e no Brasil, a Inquisição foi preeminente durante 250 anos. Isso quer dizer que foi uma força significativa em quatro continentes por mais de três séculos.”, escreve.
Ao criar um inimigo comum, fortalecia-se o poder monárquico central ainda ameaçado por influências locais não-católicas. A princípio, judeus e mouros convertidos viraram alvos; que na sequência se estenderam a hindus, luteranos, huguenotes, franco-maçons, seitas místicas, bígamos, padres fornicadores, marinheiros sodomitas, homossexuais e bruxas.
Aos poucos, as atrocidades alcançaram o império colonial. Boa parte dos territórios espanhol e português permaneceu semi-habitado e suas populações, imersas em crendices e sob o comando da cultura da deleção. Com as proibições da livre circulação de ideias e de livros, a Península Ibérica e seus domínios no ultramar não passaram pela efervescência intelectual que tomou conta do resto da Europa no século XVIII.
A pá de cal da instituição só foi lançada com o triunfo dos ideais iluministas e das tropas de Napoleão na primeira década do século XIX. Mas não sem deixar para a posterioridade sua herança. O autor não se restringe a remontar o extenso e intrincado mapeamento histórico da Inquisição. Adota uma perspectiva mais abrangente, atribuindo ao legado inquisitorial o ovo da serpente dos regimes totalitários do século XX. A começar por Franco e Salazar na Península Ibérica. O historiador argumenta que a obsessão pela “limpeza do sangue” serviu de prenúncio para a ideologia fascista e seu desdobramento mais terrível, o nazismo.
“Porque a Inquisição não foi nada menos do que a primeira semente dos governos totalitários e da institucionalização do abuso racial e sexual”, analisa Green


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: