Publicado por: blogdamariazinha | 16/08/2011

Algemas, fotos e corrupção

Talvez o pessoal do Pmdb e do Pt não se incomode tanto de as algemas forem vermelhas - cor dos dois partidos - e se também forem de pelúcia.

É bem gozado como são certas coisas nesse país.

Os tais Pmdb e Pt ficam absolutamente irritadom com a prisão de filiados envolvidos com denúncias de corrupção no Ministério do Turismo porque os cidadãos foram algemados. Até a presidente Dilma Rousseff e outros dignatários – no título ao menos – protestaram contra abusos da Polícia Federal no desenrolar da Operação Voucher (sempre me parece que a PF tem alguém que fica lá só para pensar nomes especiais, de tão apropriados que são, para as operações que desenvolve, rsrsrs).

Outra questão é a divulgação das fotos dos acusados sem camisa e com placas de números no peito. Aí sim, me parece, temos violação de intimidade e da integridade e coisas do gênero.

Curioso, no entanto, é perceber que a maioria da base do governo no Congresso Nacional e mesmo membros do governo – até a senhora presidente da República – nunca protestaram contra o “Zé das Couves” ser preso e algemado, nunca protestaram contra o “Zé das Galinhas” ter a sua foto com placa numerada exibida no jornais. Como podemos, assim, construir um país democrático e cidadão? Como podemos admitir que existem cidadãos que pela sua condição social ou pela sua proximidade do poder são melhores que outros?

O que querem na verdade, apesar do início do discurso para protestar contra algemas e fotos sempre falar de sua indignação contra a corrupção, é desviar o foco, é atrasar as investigações, é impedir as punições.

Os senhores peemedebistas Michel Temer, vice-presidente da República, José Sarney, presidente do Senado, Romero Jucá, líder do governo Dilma no Senado, o senhores petistas Cândido Vacarezza, líder do governo na Câmara dos Deputados, e Arlindo Chinaglia (deputado federal – Pt-SP) e tantos outros próceres desses partidos, não têm a mínima, a menor, autoridade moral para questionar o que quer que seja. São todos envolvidos – também – em diversas situações, nunca esclarecidas, de favorecimento, pessoal, familiar ou de seus grupelhos políticos, da máquina pública ou dos dinheiros públicos. Como ousam erguer a voz?

Na verdade se aproveitam da democracia e da liberdade, de uma Constituição que, infelizmente, trata bandidos comuns como prisioneiros políticos, impedindo a prisão ágil, sempre garantindo o direito de defesa, para serelepes continuarem a saquear a nação.

Apenas para exemplificar discrepâncias poderíamos lembrar o caso do senhor Bernard Madoff nos Estados Unidos da América, que tanto gostamos de criticar. Lá seu crime foi descoberto em dezembro de 2008 (esquema de pirâmide que se revelou na crise daquele ano), e em julho seguinte ele já estava condenado e cumprindo pela, estando preso, na verdade, desde março do ano de 2009. Não vi nenhuma crítica dizendo que faltara direito de ampla defesa ou qualquer coisa do gênero. Por que será?

Tivessem alguma preocupação com o país e seus destinos já teriam suspendido todos os seus associados envolvidos no esquema denunciado pela Operação Voucher dos seus partidos, iniciado procedimentos na Comissão de Ética, que até no Pmdb e Pt devem existir, e apoiado a abertura de procedimentos de investigação pelo Ministério Público Federal, Tribunal de Contas da União e Controladoria-geral da União, sem falar na abertura de uma CPI para investigar a corrupção que grassa no governo. Nada disso eles fazem, o que os preocupam são as algemas. Talvez temendo o seu destino.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: